Storytelling e Aprendizagem

Histórias fazem nosso cére­bro se ati­var de uma forma difer­ente e mais poderosa do que quando recebe­mos infor­mações de out­ras for­mas. Essa car­ac­terís­tica faz com do Sto­ry­telling uma fer­ra­menta fun­da­men­tal para aprendizado

Quando um pro­fes­sor ou palestrante mostra um slide e fala sobre ele, o cére­bro de cada um dos par­tic­i­pantes é ati­vado para proces­sar lin­guagem. Se esse mesmo pro­fes­sor con­tar uma história, além de se preparar para proces­sar lin­guagem, o cére­bro ati­vará áreas que proces­sam exper­iên­cias, de forma sim­i­lar a quando esta­mos viven­ciando essas exper­iên­cias — inclu­sive infor­mações sen­so­ri­ais como cheiros e sabores, se eles fiz­erem parte da história. Somos tão suscetíveis ao  chamado “Sto­ry­telling” que, em exper­i­men­tos, pesquisadores de Prince­ton con­seguiram obser­vam uma “sin­croniza­ção” entre os cére­bro de pes­soas con­tando e ouvindo histórias. O resul­tado é um apren­dizado mais efe­tivo e sig­ni­fica­tivo para o ouvinte.

Isso ocorre porque histórias, geral­mente, tem uma estru­tura sim­ples de causa e efeito e é dessa forma que pen­samos durante todo o tempo. Tudo que ocorre a nossa volta, se trans­forma em histórias em nossa memória. Além disso, quando ouvi­mos uma história ten­ta­mos relacioná-la com alguma exper­iên­cia anterior.

Mas exata­mente o que é uma história. Histórias con­tam com cer­tos ele­men­tos como per­son­agens, enredo e reflexão. Os per­son­agens são os par­tic­i­pantes da história. O enredo é a sucessão de fatos que ocor­rem um após o outro de forma encadeada, ou seja, um fato leva ao próx­imo fato. E, por fim, a reflexão é a con­clusão, é o momento em que enten­demos porque aquela história é impor­tante e o que ela sig­nifica em relação a aspec­tos maiores da vida.

Para saber mais confira:

- Esse incrível info­grá­fico com os ele­men­tos de Sto­ry­telling em forma de tabela periódica.

- O artigo do site Life­hacker sobre o poder do Sto­ry­telling (em inglês).

- A matéria do New York Times sobre a neu­ro­ciên­cia do Sto­ry­telling (em inglês).

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>